"Bernadette perguntou três vezes o nome da Senhora, que sorrindo e unindo suas mãos sobre o peito respondeu: Eu sou a Imaculada Conceição."
Segunda, 11 Janeiro 2016 08:51

Linguagem de gestos (2° Dom TC)

Escrito por  José Antonio Pagola
Avalie este item
(0 votos)

O evangelista João diz-nos que Jesus fez «milagres» e «prodígios». Ele chama-lhes «sinais» porque são gestos que apontam em direção a algo mais profundo do que podem ver os nossos olhos. Em concreto, os sinais que Jesus realiza, orientam para a Sua pessoa e mostra-nos a Sua força salvadora.

O sucedido em Canaan da Galileia é o começo de todos os sinais. O protótipo dos que Jesus irá levando a cabo ao longo da Sua vida. Nessa «transformação da água em vinho» é-nos proposta a chave para captar o tipo de transformação salvadora que opera Jesus e o que, em Seu nome, hão de oferecer os Seus seguidores.

Tudo ocorre durante um casamento, a festa humana por excelência, o símbolo mais expressivo do amor, a melhor imagem da tradição bíblica para evocar a comunhão definitiva de Deus com o ser humano. A salvação de Jesus Cristo tem de ser vivida e oferecida pelos Seus seguidores como uma festa que dá plenitude às festas humanas quando estas ficam vazias «sem vinho» e sem capacidade de encher o nosso desejo de felicidade total.

O relato sugere algo mais. A água só pode ser saboreada como vinho quando, seguindo as palavras de Jesus, é «retirado» de seis grandes tinas de pedra, utilizadas pelos judeus para as suas purificações. A religião da lei escrita em tábuas de pedra está exausta; não há água capaz de purificar o ser humano. Essa religião há de ser liberta pelo amor e a vida que comunica Jesus.

Não se pode evangelizar de qualquer forma. Para comunicar a força transformadora de Jesus não bastam as palavras, são necessários os gestos. Evangelizar não é só falar, predicar ou ensinar; menos ainda, julgar, ameaçar ou condenar. É necessário atualizar, com fidelidade criativa, os sinais que Jesus fazia para introduzir a alegria de Deus tornando mais ditosa a vida dura de aqueles camponeses.

A muitos contemporâneos a palavra da Igreja deixa-os indiferentes. As nossas celebrações aborrecem-nos. Necessitam conhecer mais sinais próximos e amistosos por parte da Igreja para descobrir nos cristãos a capacidade de Jesus para aliviar o sofrimento e a dureza da vida.

Quem quererá escutar hoje o que já não se apresenta como notícia gozosa, especialmente se se faz invocando o evangelho com tom autoritário e ameaçador? Jesus Cristo é esperado por muitos como uma força e um estímulo para existir, e um caminho para viver de forma mais sensata e gozosa. Se só conhecem uma «religião aguada» e não podem saborear algo da alegria festiva que Jesus contagiava, muitos continuarão a afastar-se.

José Antonio Pagola

Teólogo e biblista espanhol

(Tradutor: Antonio Manuel Álvarez Perez)

Ler 2866 vezes Última modificação em Segunda, 11 Janeiro 2016 12:53

Links

Quer sugerir temas para buscarmos respostas? O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Redes Sociais

    A Igreja também está presente nas Redes Sociais, acompanhe!