"Bernadette perguntou três vezes o nome da Senhora, que sorrindo e unindo suas mãos sobre o peito respondeu: Eu sou a Imaculada Conceição."
Segunda, 07 Dezembro 2015 08:23

Repartir com os que não tem (3° Dom Advento)

Escrito por  José Antonio Pagola
Avalie este item
(0 votos)

A palavra do Batista a partir do deserto tocou o coração das pessoas. A sua chamada à conversão e ao início de uma vida mais fiel a Deus despertou em muitos deles uma pergunta concreta: Que devemos fazer? É a pergunta que brota sempre em nós quando escutamos uma chamada radical e não sabemos como concretizar a nossa resposta.

O Batista não lhes propõe ritos religiosos nem tampouco normas nem preceitos. Não se trata propriamente de fazer coisas nem de assumir deveres, mas de ser de outra maneira, viver de forma mais humana, desenvolver algo que está já no nosso coração: o desejo de uma vida mais justa, digna e fraterna.

O mais decisivo e realista é abrir o nosso coração a Deus olhando atentamente as necessidades dos que sofrem. O Batista sabe resumir-lhes a sua resposta com uma fórmula genial pela sua simplicidade e verdade: «O que tenha duas túnicas, que as reparta com o que não tem; e o que tenha comida faça o mesmo». Assim simples e claro.

Que podemos dizer ante estas palavras, quem vive num mundo onde mais de um terço da humanidade vive na miséria lutando cada dia por sobreviver, enquanto nós continuamos a encher os nossos armários com todo o tipo de túnicas e temos os nossos frigoríficos repletos de comida?

E que podemos dizer, os cristãos, ante esta chamada tão simples e tão humana? Não teremos de começar a abrir os olhos do nosso coração para tomar uma consciência mais viva dessa insensibilidade e escravidão que nos mantém, submetidos a um bem-estar que nos impede ser mais humanos?

Enquanto nós continuamos preocupados, e com razão, com muitos aspectos do momento atual do cristianismo, não nos damos conta de que vivemos «cativos de uma religião burguesa». O cristianismo, tal como nós o vivemos, não parece ter força para transformar a sociedade do bem-estar. Pelo contrário, é esta que está a desvirtuar o melhor da religião de Jesus, esvaziando a nossa capacidade de seguir Cristo em valores tão genuínos como a solidariedade, a defesa dos pobres, a compaixão e a justiça.

Por isso, temos de valorizar e agradecer muito mais o esforço de tantas pessoas que se revoltam contra este «cativeiro», comprometendo-se em gestos concretos de solidariedade e cultivando um estilo de vida mais simples, austero e humano.

José Antonio Pagola

Teólogo e biblista espanhol

(Tradutor: Antonio Manuel Álvarez Perez)

Ler 1841 vezes Última modificação em Segunda, 07 Dezembro 2015 12:28

Links

Quer sugerir temas para buscarmos respostas? O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Redes Sociais

    A Igreja também está presente nas Redes Sociais, acompanhe!