"Bernadette perguntou três vezes o nome da Senhora, que sorrindo e unindo suas mãos sobre o peito respondeu: Eu sou a Imaculada Conceição."
Sexta, 25 Julho 2014 08:23

A decisão mais importante (17° Dom TC)

Escrito por  José Antonio Pagola
Avalie este item
(0 votos)

O Evangelho cita duas pequenas parábolas de Jesus com a mesma mensagem. Em ambos os relatos, o protagonista descobre um tesouro muito valioso e uma pérola de valor incalculável. E os dois reagem do mesmo modo: vendem com alegria e decisão o que tem, e ficam com o tesouro e a pérola. Segundo Jesus. Assim reagem os que descobrem o Reino de Deus.

Parece que Jesus teme que as pessoas o sigam por interesses diversos, sem descobrir o mais atrativo e importante: esse projeto apaixonante do Pai, que consiste em conduzir a humanidade até um mundo mais justo, fraterno e feliz, encaminhando até sua salvação definitiva em Deus.

Que podemos dizer hoje, depois de vinte séculos de cristianismo? Por que tantos cristãos bons vivem fechados em sua prática religiosa com a sensação de não ter descoberto nela nenhum “tesouro”? Onde está à raiz ultima dessa falta de entusiasmo e alegria em muitos lugares de nossa Igreja, incapaz de atrair até o centro do Evangelho a tantos homens e mulheres que vão se afastando dela, sem renunciar por isso a Deus nem a Jesus?

Depois do Concílio, Paulo VI fez esta afirmação profunda: “Só o reino de Deus é absoluto. Tudo o mais é relativo”. Anos mais tarde, João Paulo II reafirmou dizendo: “A Igreja não é ela seu próprio fim, pois está orientada ao Reino de Deus de que é semente, sinal e instrumento”. O Papa Francisco vem nos repetindo: “O projeto de Jesus é instaurar o Reino de Deus”.

Se esta é a fé da Igreja, por que há cristãos que nem sequer tenham ouvido falar desse projeto que Jesus chamava “Reino de Deus”? Por que não sabem que a paixão que animou toda a vida de Jesus, a razão de ser e o objetivo de sua atuação, foi anunciar e promover esse projeto humanizador do Pai: buscar o Reino de Deus e sua Justiça?

A Igreja não pode renovar-se desde sua raiz se não descobre o “tesouro” do Reino de Deus. Não é a mesma coisa, chamar cristãos a colaborar com Deus em seu grande Projeto de fazer um mundo mais humano, do que viver distraídos em práticas e costumes que nos fazem esquecer o verdadeiro centro do Evangelho.

O Papa Francisco está nos dizendo que “o Reino de Deus nos chama”. Este grito nos chega desde o coração mesmo do Evangelho. Nós temos que escutar. Seguramente, a decisão mais importante que devemos tomar hoje na Igreja e em nossas comunidades cristãs é a de recuperar o projeto do Reino de Deus com alegria e entusiasmo.

José Antonio Pagola

Teólogo e biblista espanhol

(Tradução livre: Dervile Alonço)

Ler 4138 vezes Última modificação em Sexta, 25 Julho 2014 14:24

Links

Quer sugerir temas para buscarmos respostas? O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Redes Sociais

    A Igreja também está presente nas Redes Sociais, acompanhe!